Sérgio Fernandes, de Portugal para a Casa Benet Domingo

É com imensa satisfação que a Casa Benet Domingo, com o projeto Casa no Mundo, recebe o santista naturalizado português, Sérgio Fernandes.

IMG_9155

Nascido em Santos – Brasil, e também naturalizado português, Sérgio Fernandes teve sua formação musical no Teatro Municipal de Santos com Nivio Mota pela SECULT. Prosseguindo-os com Everton Gloeden, Henrique Pinto e Paulo Martelli, recebendo também influência dos melhores interpretes da atualidade. Em Portugal estudou no Conservatório Orfeão de Leiria com a professora Ilda Coelho  e na Espanha estudou no Conservatório Superior de Vigo com José Luiz Fernandez, e Mestrado no Instituto Piaget em Almada (Lisboa).

Em 2001 teve contato e Master Classes com a Professora argentina discípula de Andrés Segóvia, Monina Távora. A autocrítica foi o princípio básico de sua carreira, foi o que sempre o impulsionou a realizar uma busca incansável pelo aperfeiçoamento técnico/musical, tendo como meta o domínio completo e natural do instrumento.

Em 2014 gravou um Albúm de músicas espanholas e brasileiras pela Gravadora Númérica de Portugal e atualmente tem se preparado para a Gravação do seu segundo Albúm que terá como repertório músicas barrocas e latino americanas. É também o autor do Método “o Fundamento da técncia dos violonistas David Russell e Manoel Barrueco e sua orgigem” .Tem se apresentado regularmente como solista e como camerista em diversas formações instrumentais. Desde 2008 leciona na Acadêmia de Música em Alcobaça em Portugal e agora é a vez da Casa Benet Domingo recebê-lo no Rio de Janeiro :)

No dia 04 de agosto, sexta-feira, Sérgio Fernandes oferecerá uma Master Class

Das 9h às 13h – Palestra “O Fundamento da Técnica David Russell e Manuel Barrueco e sua origem” com bate papo. Seguida de apresentação dos participantes com correção de técnica.

Das 14h30 ás 18h30 – Audição dos participantes e elaboração em cima de cada música.

Duração: 8h

Investimento : R$ 70,00 ( a participação na Master Class isenta de ingresso na apresentação de sábado)

Inscrições : sergiogfs@bol.com.br

No dia 05 de agosto, sábado, concerto de violão clássico

Nesse concerto tocará obras de Manoel Maria Ponce, Isaac Albeniz, Francisco Tarrega, Alexander Tansman, Villa Lobos entre outros.

Horário : 20h

Investimento : R$ 30,00

Compras antecipadas: sergiogfs@bol.com.br

 

Lembramos que a Casa Benet Domingo é um espaço intimista e que a apresentação será acústica, por isso sugerimos a compra antecipada de ingresso diretamente com o músico.

 

Ilimite Cósmico no Rio de Janeiro

Convite expo Ilimite Cósmico net

Após dois meses de exposição em Lisboa, finalmente é hora do Rio de Janeiro receber a magnífica exposição ‘Ilimite Cósmico’. Com pinturas em técnica mista sobre impressão em tela e a coleção de fine art, a artista apresenta nessa série uma imersão no universo onírico.

A inauguração será no dia 22 de junho, quinta-feira, às 19h.

A artista também convida para um bate papo e visita ao ateliêr no dia 25 de julho, domingo, das 15h às 17h. Para esse encontro é necessária inscrição prévia via e-mail: contato@casabenetdomingo.com

Quer saber mais da exposição em Portugal!? Confira nosso site http://www.casabenetdomingo.com/casanomundo-lisboa/
http://www.casabenetdomingo.com/casa-no-mundo-palestra-na-universidade-de-aveiro/

Fique ligado nas nossas redes sociais! pois também haverá programação relacionada a exposição durante o mês de julho :)

#somosartecaiçara

PROJETO ARTE CAIÇARA  com Pedro Benet

Convite exposição

O artista Pedro Benet, ministrou no mês de maio as oficinas de pintura sobre madeira no Centro Cultural Casa Larangeiras em Angra dos Reis e inaugura hoje a exposição com as obras realizadas pelos participantes. Não deixe de conferir a produção desse projeto que conta com o apoio da Technip FMC, Terminal Portuário de Angra dos Reis e a Prefeitura de Angra.

Confira um pouco da oficinas:

 

Minas Gerais na Casa Benet Domingo

Nessa sexta-feira a Casa Benet Domingo recebe Marcos Braccini com o show ‘NOTURNO’

Noturno trio convida

Antes da apresentação vai ser exibido o documentário “NOTURNO” que mostra um pouco da turnê e da gravação do disco, e que traz a participação, dentre outros artistas queridos, do cineasta e compositor Sérgio Ricardo.

Os arranjos foram recriados para o novo formato Trio:
Marcos Braccini (violão,voz), Rafael Martini (direção musical, arranjos, piano, violão, sanfona) e Alexandre Andrés (flautas e violão).
A cantora fluminense Jhê Delacroix é a intérprete convidada.

Rafael Fares vai manipular ao vivo as imagens do video-cenário criadas por Sara Lana e Aline Xavier, com a arte de Daniel Cavalcanti (Klave) que assinada a identidade visual do projeto.

Esperamos a todos nesse encontro entre Minas e Rio, viva a arte!!

Casa no Mundo – Palestra na Universidade de Aveiro

Na quinta-feira, 20 de abril, às 11h00, o Auditório Mestre Hélder Castanheira (Livraria da UA), recebe a artista Pilar Domingo  que apresentará o seu trabalho através de uma palestra intitulada “Trajetória e transformação através dos suportes. Da década de 70 a 2017”.

Palestra sobre a trajetória da artista – entre 1970 e 2017 – e a sua pesquisa através de diferentes suportes.

Pilar Domingo apresenta um percurso pelo seu trabalho que, anulando as tradicionais fronteiras entre técnicas, expressa o seu objetivo: revelar um universo – paralelo àquele que normalmente percepcionamos, onde não existem limites.

O universo que Pilar Domingo vê, está intimamente ligado aos reinos da natureza, através de um original processo de criação trazendo para a superfície das obras o mistério a que a artista procura responder: “procuro vestígios passados de histórias futuras no DNA dos tempos”.

Representada em museus e coleções particulares de diversos países, Pilar Domingo tem vindo a desenvolver o seu trabalho desde os anos 80, tendo construído um percurso expositivo que alia monumentalidade – tanto a nível de formato como de espaço intervencionado – a uma ancestralidade e força natural absorvidas nas expedições que empreende (Matro Grosso, Sudeste Asiático, África). Dinamiza, pessoalmente, a Casa Benet Domingo, no Rio de Janeiro. A artista brasileira expõe atualmente, abril 2017, em Lisboa (Studio TeamBox- LxFactory).

Esse texto foi retirado do jornal online : http://uaonline.ua.pt/pub/detail.asp?c=50153

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Agradecemos o convite de Graça Magalhães para realização da palestra na Universidade de Aveiro e ao professor Paulo Bernardino Bastos.

 

 

#pilardomingo #lisboa #casanomundo

Ilimite Cósmico de Pilar Domingo invade LX Factory em Lisboa.

Ilimite Cósmico de Pilar Domingo

No mês de abril a artista Pilar Domingo invadiu Liboa (PT) com a exposição ‘Ilimite Cósmico’ que ficará em cartaz até o final do mês de maio.

Exposição extendida até fim de maio

Partindo de projeções de videoarte que são depois plasmadas sobre diversos suportes através de gravura, pintura, colagem e fine art, Pilar Domingo apresenta uma série de trabalhos que, anulando as tradicionais fronteiras entre técnicas, expressam com maior vigor o seu objetivo: revelar um universo – paralelo àquele que normalmente percecionamos – em que não existem limites.

O universo que Pilar Domingo vê, intimamente ligado aos reinos da natureza, pode, através deste original processo de criação, ser veiculado com toda a sua força e magia, trazendo para a superfície das obras o próprio mistério que a artista pretende ver respondido: “procuro vestígios passados de histórias futuras no DNA dos tempos”.

 

Representada em museus e coleções particulares de diversos países, Pilar Domingo tem vindo a desenvolver o seu trabalho desde os anos 80, tendo construído um percurso expositivo que alia monumentalidade – tanto a nível de formato como de espaço intervencionado – a uma ancestralidade e força natural absorvidas nas expedições que empreende (Matro Grosso, Sudeste Asiático, África) quando não está dedicada à instituição que pessoalmente dinamiza, a Casa Benet Domingo, no Rio de Janeiro. Chegou agora a vez da LXFactory a receber.

studioteambox.orgstudio@teambox.ptfacebook.com/studioteambox – 965 786 793

Pilar Domingo no MAC-Paraná

A artista Pilar Domingo, esteve presente na exposição ‘Anos 60/70- Um Panorama’ com curadoria do Ronald Simon, no Museu de Arte Contemporânea do Paraná, inaugurada no dia 16 de março.

Anos 60/70 um panorma

Anos 60 | 70: Um Panorama

Nos anos 1960, a mostra “Opinião 65”, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, estabeleceu-se como marco na história da arte contemporânea brasileira. Idealizada pelo marchand Jean Boghici, teve como organizadora (termo usado na época) a crítica Ceres Franco, e contou com a participação de 29 artistas brasileiros e estrangeiros. A presença da figuração com conteúdo crítico, político e social podia ser percebida principalmente nas obras dos artistas brasileiros como uma resposta à conjuntura do país no momento – era o começo da ditadura militar. Em 1967, no mesmo museu, a exposição “Nova Objetividade Brasileira” apresentou uma inclinação para superar os suportes tradicionais (pintura, escultura, etc.), em proveito de estruturas ambientais e objetos, mas contou ainda com obras figurativas.

Constituído principalmente por obras premiadas nos Salões Paranaense, o acervo do MAC/PR não se formou sob conceitos atrelados a critérios museológicos ou históricos. Contudo, se nos atermos a um período específico, como as décadas de 1960 e 1970, o acervo acaba revelando certas semelhanças estéticas e a utilização de meios que apontam para algumas tendências de determinado momento da história da arte contemporânea brasileira.

Antonio Dias, Rubens Gerchman, Pedro Escosteguy, Tomoshige Kusuno, Marcelo Nitsche, Ana Maria Maiolino, Carlos Zílio, Solange Escosteguy – nomes emblemáticos da época, que expuseram em uma ou em ambas exposições citadas, e que também participam desta – se alinham aos outros artistas presentes na mostra pelo afastamento do abstracionismo e suas vertentes e, consequentemente, pela aproximação das correntes artísticas que buscavam a volta da figura (nova figuração, figuração narrativa, pop art, etc.), assim como pelo desejo de abandonar a tela tradicional no final dos anos 1970. Portanto, mesmo sem ser um inventário dessas duas décadas, a exposição “Anos 60 | 70: Um Panorama” deve ser vista como um breviário de tendências da época, que acabaram repercutindo nos Salões Paranaenses.

Ronald Simon

Curador

 17389181_1312976378757040_6644151468766734932_o 17389231_1312975848757093_7145044288226558642_o 17434608_1312978778756800_5879332444743699277_o17310198_1312976602090351_2681511324258985554_o